Arte em paredes de ala pediátrica da Santa Casa é coberta de branco e ato causa polêmica em Assis

 

Com a justificativa de que o prédio passa por uma reestruturação para ampliação de leitos, a direção da Santa Casa de Assis (SP) mandou cobrir as pinturas feitas por um artista plástico na ala pediátrica do hospital.

O ato causou polêmica na cidade, principalmente entre as pessoas que participaram do projeto, feito de forma voluntária. A TV TEM não foi autorizada pela Santa Casa a fazer imagens do local.

A tinta branca cobriu as cores vivas que davam colorido e alegria ao setor pediátrica há apenas nove meses. O artista plástico Anderson Lemes, conhecido como “Alemão”, foi responsável pela pintura e tem várias obras espalhadas pelo mundo.

Para colorir o setor na Santa Casa, foram três dias de trabalho pintando cada detalhe, desde as paredes do corredor até a brinquedoteca. Anderson contou com a ajuda de voluntários para colorir as paredes, trabalho que não teve custo para a Santa Casa.

“Tinha até um menininho que estava com soro e ele queria ficar vendo, me pediu um desenho e esse é o maior pagamento. Também teve um senhor que saiu de outra ala para ver me disse que os hospitais deveriam ser assim”, conta o artista.

A pintura fazia parte de um projeto criado pelos estudantes de Psicologia da Unesp de Assis com a intenção de levar cor à ala pediátrica da Santa Casa, tornando um ambiente mais aconchegante, principalmente para as crianças.

Toda a ala infantil foi pintada de branco novamente (Foto: Anderson Lemes / Arquivo pessoal)

As estudantes que participaram do trabalho disseram que a ideia foi aceita rapidamente pelos pacientes.

“As crianças estavam lá em um ambiente que, até então, não conheciam, que não é agradável, é um hospital. A ideia de pintar foi para trazer mais vida, mais alegria, e isso também ajudava a subsidiar o nosso trabalho, porque nós vamos ao hospital todo a semana para brincar com elas, para elas terem um acolhimento, e ajudá-las a elaborar o que está acontecendo”, destaca Ingrid Salgueiro.

Alemão disse que ficou sabendo da pintura sobre os desenhos dias depois (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Porém, a ação da nova diretoria, que pintou as paredes de branvo, acabou se tornando uma surpresa desagradável para quem trabalhou no projeto.

“Nos sentimos desrespeitados em tudo que a gente acredita, porque foi um trabalho feito ali que tinha um significado e não foi levado em consideração”, ressalta a estudante Roberta Capuano.

O autor da obra só ficou sabendo da decisão dias depois. “Eu fiquei chateado por ser um trabalho que fiz sem cobrar absolutamente nada para justamente quebrar essa concepção de hospital, e foi apagado sem uma justificativa plausível, ao meu ver”, frisa Alemão.

Pintura fazia parte do projeto de estudantes do curso de psicologia da Unesp de Assis: “A gente se sentiu desrespeitada” (Foto: Reprodução / TV TEM)

Ainda de acordo com a Santa Casa, a pintura das paredes faz parte das obras de reforma no hospital para ampliação dos leitos de adultos da ala, antes ocupada somente pelas crianças. Fonte G1

Objetivo do autor, que teve ajuda de voluntários, era alegrar o ambiente para que as crianças tivessem uma vivência mais tranquila durante o tratamento hospitalar (Foto: Anderson Lemes / Arquivo pessoal)

Comments

comments